Desenvolvimento: saiba que todas as emoções são positivas!
As cinco fases para implantar o RH estratégico

Como fazer o planejamento estratégico de RH?

Uma das oficinas que mais tenho realizado para os profissionais de gestão de pessoas é a de Planejamento Estratégico de RH. Quando iniciamos os trabalhos e eu questiono quais os profissionais que já trabalham com planejamento nas suas áreas recebo respostas diversas, como por exemplo: tenho plano de ação, faço orçamento e tenho análise de quadro de vagas, indicadores, enfim todas as respostas estão corretas em sua grande maioria, o problema está na dispersão e na falta de uma estruturação.

Acredito que o Planejamento Estratégico de RH é um método que dá o direcionamento, estrutura e permite a continuidade das ações.

Concordo com Lucena (1999) quando ele diz que o Planejamento Estratégico de Recursos Humanos “compreende o processo gerencial de identificação e análise das necessidades organizacionais e recursos humanos e o consequente desenvolvimento de políticas, programas e atividades que satisfaçam essas necessidades, a curto, a médio e longo prazos. Tendo em vista assegurar a realização das estratégias do negócio, dos objetivos da empresa e de sua continuidade sob condições de mudanças”.

Para isto a área deve incorporar o planejamento como uma atividade de gestão. Vou apresentar de forma sucinta como tenho trabalho com o planejamento, ou seja, as fases pelas quais está estruturado. Trabalho com um modelo de sete fases:

A 1ª fase consiste em construir a identidade do RH, sua missão, visão, valores. Para isto é necessário olhar para a identidade da organização, elas precisam estar alinhadas. Não adianta construir apenas frases bonitas, mas que não tenham sentido, até porque a identidade deve ser comprovada por práticas. De forma sucinta a missão é a razão de existir da área, a visão é onde a área quer chegar a médio e longo prazos e valores estão relacionados aos comportamentos que orientadores. A identidade irá apresentar de forma objetiva qual são os grandes objetivos.

Na 2ª fase sugiro a construção do modelo de negócio do RH. Aqui utilizo o modelo de Canvas, porque ele faz com que sejamos objetivos. Em uma folha podemos consolidar pontos bem importantes como: definição de clientes, produtos e serviços entregues, estrutura de custos e agregação de valor. Tudo isto aglutina as principais diretrizes para que o RH possa trabalhar de modo planejado e organizado.

Na 3ª fase é feita análise do ambiente interno e externo. Nesta etapa é fundamental ter informações, dados suficientes que possibilitem entender o contexto interno e externo. Na análise do ambiente interno podemos incluir avalição de: pesquisas, entrevistas e questionários, processos e indicadores. Como por exemplo resultados da pesquisa de clima organizacional, da avaliação por competências, dos indicadores de rotatividade, absenteísmo. Aqui entram uma série de dados que irão apresentar uma fotografia do estado atual da área.
Já no ambiente externo é feito análise da conjuntara econômica, política e do mercado de trabalho dando preferência a dados voltados para o mercado em que a empresa está inserida.

A 4ª fase vem para consolidar e aglutinar tudo que foi visto nas fases anteriores. Aqui é o momento de definir objetivos e priorizar. Todo cuidado é pouco, pois na ansiedade de resolver os problemas e atender todas as demandas a equipe de RH pode se perder e querer abraçar muitas frentes, é preciso atacar o que causará maior impacto na organização.

Após definido objetivos vem a 5ª fase que é de elaborar o plano de ação, ou seja, definir o que será feito. Pode ser utilizada a ferramenta 5W2H-ferramenta de planejamento que define o que será feito, como, responsáveis e prazos. Mas cuidado como comentamos na fase anterior o plano de ação precisa ser objetivo e plausível de ser implantado, se for muito audacioso corre o risco de ficar na gaveta, mas por outro lado se for simples demais pode ser um plano operacional e não estratégico.

A 6ª fase é de implantação das ações definidas. Nesta fase as ações planejadas precisam sair do papel e serem colocadas em prática. Na implantação muitas vezes o que enfrentamos são resistência a processo de mudança. Aqui entra a parte comportamental do projeto, que é ir até as pessoas, conversar e acompanhar de perto. Não acredito que um excelente plano de ação por si só terá resultados. A implantação prevê a comunicação entre as partes envolvidas. Invista em um robusto plano de comunicação, saia da sua sala e acompanhe de perto tudo que está acontecendo.

A 7ª fase é de monitoramento, em que será acompanhado o plano de ação. Aqui são necessárias medidas de correção e ajustes. Não pense que tudo irá sair de acordo com o que você planejou, tudo conforme está no papel. Você terá contingências, mudanças para enfrentar e nesta fase algumas vezes acaba caindo por terra todo entusiasmo da equipe de RH. É preciso persistência e esforços coletivos. Se tiver que corrigir, fazer ajustes, faça, mas não desista.

A continuidade do ciclo é a revisão anual do seu planejamento e com isto você estabelecerá com o tempo um processo que aos poucos fará parte do seu dia a dia de trabalho.

De o primeiro passo, você já tem um roteiro que pode te ajudar!

Um abraço,

Katia Demeneck.